Programa Especial Proteção de Nascentes

 

O Brasil tem  centenas de milhares de nascentes. Elas estão por toda parte. A água que brota de lençóis subterrâneos em nascentes pode garantir água  de qualidade e suficiente para atender as necessidades do campo,  da cidade e da rica biodiversidade brasileira.  Mas elas precisam de cuidados.

Por isso, a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (SENAR) criaram o Programa Nacional de Proteção de Nascentes. Em 2015, o Sistema CNA/SENAR lançou o desafio de proteção de MIL nascentes. Com ações desenvolvidas pelas Federações de Agricultura e Pecuária e pelas Administrações Regionais do SENAR, em parceria com os sindicatos rurais,  produtores que aderiram ao programa contribuíram para ultrapassar a meta: mais de 1.700 nascentes foram protegidas no País. 

E com apenas 5 passos:

 

   
   
   
   
   

 

1. IDENTIFICAR A NASCENTE

Para proteger é preciso, primeiro, conhecer. Identificar a nascente, entre os três tipos existentes.
• A nascente de fundo de vale, também conhecida por olho d’água,  se forma nas depressões de terreno, a partir da água que vem do  lençol freático
• A nascente de encosta  pode surgir de bolsões de água no solo e tem fluxo temporário ou perene
• A nascente de contato também  nasce no lençol freático. Se forma na superfície devido a falhas geológica com ondulações, semelhantes ao telhado de uma casa.

 

2. CERCAR A NASCENTE

Depois de identificar, é preciso proteger a nascente, levantando uma cerca ao redor dela, para impedir danos causados por animais, homens ou veículos.

 

3. LIMPAR A ÁREA

Para que nada bloqueie o caminho da água e para garantir a saúde da nascente, ela precisa estar limpa.  Livre de folhas, raízes, plantas invasoras e da terra que desliza de encostas e barrancos.  O roçado deve ser feito com cuidado para não prejudicar a fonte de água.

 

4. CONTROLAR A EROSÃO

Conservar o solo também é fundamental na proteção de uma nascente e de suas margens para evitar a erosão hídrica.  Existem várias técnicas para controlar a erosão hídrica, impedindo que enxurradas soterrem a nascente ou a exagerada compactação do solo impeça a infiltração da água. Existem diversas formas de combate à erosão. Veja as principais:

• Melhorar a fertilidade do solo  com técnicas como adubação e uso de calcário.
• Adotar o plantio  em forma de contorno e terraceamento, com movimentação de porções de terra.

Estas práticas promovem a recarga do aquífero que é fonte de água para as nascentes.
• Proteger o solo com a própria vegetação da área. É o caso da recuperação de pastagens e reflorestamento.

 

5. REPLANTAR ESPÉCIES NATIVAS

Preparar o terreno e adubar as covas onde serão plantadas as mudas de espécies nativas são medidas que garantem o sucesso da recuperação da área da nascente.  Para distribuir as plantas, a melhor técnica é imitar a natureza, reproduzindo a vegetação original.

 

Agora que você já conhece os 5 passos, aprenda como proteger as nascentes em sua propriedade:

 

 

Projeta uma nascente e cadastre aqui: http://www.cnabrasil.org.br/cadastreumanascenteprotegida