Técnicos do programa Mais Leite visitam linha de produção de laticínio

17/05/2016

A equipe de 37 técnicos de campo que atua na assistência técnica e gerencial (ATeG) do programa Mais Leite, do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural de Mato Grosso do Sul (SENAR/MS) participou, nesta segunda-feira (16), de uma visita técnica ao laticínio Lactalis, uma unidade da multinacional Francesa com foco na produção de mussarela e soro de leite em pó, localizada no município de Terenos. O objetivo foi proporcionar aos colaboradores a experiência prática de como funciona a linha de produção de uma agroindústria e quais as exigências que o produtor deve atender para que possa comercializar o leite para indústria.

O laticínio absorve atualmente 12 mil litros de leite por mês dos produtores associados à Cooplaf - Cooperativa Agrícola Mista da Pecuária de Corte e Leiteira e da Agricultura Familiar de Terenos, MS. Os visitantes tiveram a oportunidade de conhecer um pouco da história da indústria que começou há 83 anos na França, vinda da agricultura familiar.

De acordo com a responsável do Controle de Qualidade da unidade em Mato Grosso do Sul, Liz Cangussu, a multinacional que está presente em mais de 60 países é considerada a primeira colocada em produção de leite e derivados. “Nossas unidades trabalham com programas que têm finalidade de estimular os produtores de leite a investir na higiene e qualidade. Para isso, temos desde um canal com venda virtual de insumos até bonificações no pagamento do litro, para os fornecedores que apresentam destaque em todas as etapas produtivas”, detalha.

Liz explicou aos presentes que, atualmente, a indústria é a única que realiza pagamento extra por qualidade do leite no país. Ela pontua quais itens são verificados com prioridade: “Os percentuais de proteína, gordura e de CBT são analisados inicialmente, mas, também premiamos pelo volume de produção”, acrescenta.

Vivência prática

O supervisor do Mais Leite, Nivaldo Passos, é responsável pela equipe técnica de Terenos composta por seis profissionais e 240 famílias atendidas. Ele reforça a importância da visita ao laticínio de Terenos. “Oferecer aos nossos técnicos a oportunidade de conhecer uma agroindústria é fundamental para que compreenda todas as fases da cadeia produtiva. Outro ponto importante do encontro foi a palestra da equipe técnica sobre dicas de manejo que devem ser utilizados na hora da ordenha e que impactarão na qualidade do produto”, considera.

O médico veterinário Marcelo Modesto Amaral iniciará o trabalho na metodologia de ATeG – Assistência Técnica e Gerencial do SENAR/MS a partir de junho e aponta o que mais lhe chamou atenção durante a visita. “Na minha opinião foi o momento ideal para aprofundarmos os conhecimentos sobre a agroindústria e entendermos a preocupação e o cuidado que o laticínio tem para beneficiar o produtor. Outro ponto relevante é a bonificação paga aos produtores, isso só faz com que o segmento se desenvolva cada mais”, argumenta.

O zootecnista César Gonçalves Santos já trabalha há quatro meses no Mais Leite e explica que ainda não conhecia a linha de produção de uma agroindústria. “Foi gratificante conhecer todos os processos da cadeia leiteira e ter acesso a informações que poderei repassar aos produtores que atendo. Como permanecemos mais tempo no campo é o momento ideal para trocar informações e experiências”, complementa.

Implantado em 2014, o programa Mais Leite atendeu 744 produtores em 21 municipios em 2015. Para esse ano a meta é chegar a 34 cidades, totalizando 930 famílias que desenvolvem atividade de pecuária leiteira.

Assessoria de Comunicação do Sistema Famasul/ SENAR/MS
www.famasul.com.br