Caravana Embrapa leva informações sobre controle de pragas a Alagoas e Sergipe

06/03/2014

Depois de percorrer oito estados e o Distrito Federal, a Caravana Embrapa de Alerta às Ameaças Fitossanitárias chega a Alagoas e Sergipe. O objetivo é levar orientações a extensionistas, técnicos de cooperativas e demais multiplicadores sobre as estratégias de controle das principais pragas que têm causado importantes prejuízos aos agricultores, principalmente a Helicoverpa armigera.

Na terça-feira (11), a equipe da Embrapa estará no auditório da Universidade Estadual de Alagoas (Uneal), em Arapiraca, no Agreste Alagoano. Sergipe recebe a caravana na quarta (12), no Centro de Estudos Supletivos Marcos Ferreira, em Simão Dias, no Centro Sul Sergipano.

O foco da caravana é apresentar informações técnicas sistematizadas sobre a identidade das ameaças fitossanitárias, os riscos associados e as estratégias fundamentais para manejo e a recomposição do equilíbrio agroecológico, com o objetivo de ampliar as bases de sustentação para o controle de pragas. Também será feita uma análise dos problemas fitossanitários da região.

Os pesquisadores e técnicos vão destacar, entre outros pontos, o Manejo Integrado de Pragas (MIP), prática que reúne diversas técnicas possíveis de controle, buscando manter a população de pragas abaixo do nível de dano econômico nas lavouras. Apesar dos produtores reconhecerem a importância do MIP na agricultura, a Embrapa pretende reforçar junto aos multiplicadores os diferentes aspectos e técnicas para o manejo integrado, incentivando a adoção da prática como um importante método de controle da praga.

Após as apresentações, será promovido um debate para que o público possa interagir com os especialistas, trocar experiências e tirar dúvidas. Também serão distribuídos materiais informativos produzidos pela Embrapa sobre identificação e controle da Helicoverpa armigera e sobre o Manejo Integrado de Pragas (MIP).

Importância do controle

Segundo o assessor da Diretoria de Pesquisa e Desenvolvimento da Embrapa, Paulo Roberto Galerani, mais do que orientações e técnicas necessárias para a solução de problemas causados pela Helicoverpa armigera, a Caravana busca levar a mudança no campo, reforçando para os produtores a importância da adoção do manejo integrado, com foco no agroecossistema como um todo. “Assim teremos um cenário mais favorável já na próxima safra. É importante que os produtores saibam que o resultado não será imediato, mas dependerá de uma mudança de atitude para que eles possam controlar a infestação da praga em sua lavoura”, explica.

A Caravana é uma iniciativa da Embrapa e conta com apoio da Associação Brasileira dos Produtores de Algodão (Abrapa), Associação Brasileira dos Produtores de Soja (Aprosoja) e Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB). Em Arapiraca, o evento será realizado em parceria com SENAR/AL, Uneal, Adeal, FAEAL, Fetag, Emater/AL, Ufal e Sindicato Rural de Arapiraca. Já em Simão Dias, a parceria é com a Prefeitura Municipal, Seagri/SE e Emdagro.

O roteiro completo pode ser acompanhado no Site da Caravana (http://www.embrapa.br/caravana). No site também é possível baixar os materiais informativos.

Helicoverpa

A Helicoverpa armigera, ou simplesmente Helicoverpa, é uma lagarta constatada recentemente no Brasil e que tem surpreendido produtores e pesquisadores pelo seu alto poder de destruição. Em nosso país foi identificada atacando, entre outras espécies, o milho, a soja e o algodão, causando prejuízos da ordem de bilhões de reais.

Os ataques são, em geral, de grande severidade, provocando elevadas perdas na produtividade das culturas, mesmo com a aplicação de inseticidas químicos. O que torna o controle e a prevenção da praga muito importante é o fato de possuir alta mobilidade, se alimentar de várias culturas e ter alta taxa de reprodução, além da grande probabilidade de desenvolvimento de resistência a inseticidas.

O surgimento recente da Helicoverpa na região de Arapiraca, AL, fez com que fosse decretado Estado de Emergência Fitossanitária em Alagoas por conta da confirmação oficial, pela superintendência estadual do Mapa. Desde então foi criado um comitê gestor o qual elaborou um Plano Emergencial para a supressão desta praga no Estado, juntamente com a Embrapa Tabuleiros Costeiros/UEP Rio Largo, Secretaria da Agricultura, Emater e Adeal entre outras instituições.

A chegada da lagarta à região do milho em Sergipe e na Bahia, caso não sejam adotadas medidas de controle, poderá trazer enormes prejuízos à produção. A Embrapa lançou uma página de alerta na internet sobre a lagarta. Acesse http://www.embrapa.br/alerta-helicoverpa.

Fonte: Embrapa Tabuleiros Costeiros

Veja também o vídeo produzido pelo SENAR para alertar os produtores como se defenderem da lagarta Helicoverpa armigera