Agricultura de precisão

SENAR

Desde 2012 o SENAR oferta o Programa Nacional de Agricultura de Precisão. Por meio de parcerias com empresas de máquinas e implementos agrícolas e instituições de pesquisa como Embrapa e Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (ESALQ/USP), a entidade capacita instrutores e produtores rurais nas tecnologias que facilitam o dia a dia no campo e auxiliam o produtor a gerar dados para melhorar a produção desde o preparo do solo até o mapa de colheita.

O coordenador do programa Rafael Diego da Costa deu entrevista ao Canal do Produtor TV e explicou como funciona o programa e quem pode participar. “A agricultura de precisão é uma tecnologia que está aí há bastante tempo, vários produtores já conhecem, outros têm receio ainda sobre o que é agricultura de precisão, mas é uma tecnologia que não volta mais. Ela otimiza recursos, melhora a produtividade e tem o objetivo de trazer benefícios também para o bolso do produtor. Quem adere a agricultura de precisão, dificilmente volta atrás.”

Ele destacou ainda que a agricultura de precisão não é uma prática que dá retorno imediato. “O produtor vai levar uns três a quatro anos para aprimorar os resultados e esses resultados vão depender do histórico de trabalho que o produtor tem, da área, das máquinas, etc. Ao longo dos anos o produtor vai colhendo informações que vão subsidiar sua decisão de adotar esse ou aquele tipo de tecnologia”, frisou.

Rafael Costa ressaltou que o SENAR trabalha com a atualização e capacitação continuada dos instrutores que atuam no programa. Esta semana acontece treinamento em São Paulo e estão previstos outros ao longo do segundo semestre.

Quer saber mais? Assista a entrevista na íntegra:

Por Equipe de Comunicação Digital • Postado em Agricultura de Precisão • Tagged Seja o primeiro a comentar

Treinamentos acontecem por demanda, afirma coordenador de Formação Profissional Rural do SENAR MINAS

A produção mineira de grãos recebeu reforço com o Programa de Agricultura de Precisão do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (SENAR). Trabalhadores e produtores rurais dos três principais polos de produção de grãos do estado: Triângulo Mineiro, Alto Paranaíba e Noroeste Mineiro, já estão recebendo capacitações pelo programa de AP, segundo o coordenador de Formação Profissional do SENAR Minas, Luiz Ronilson Araújo Paiva. Ele explica que 10 instrutores participaram das capacitações do programa nacional de AP e estão preparados para atender a demanda do estado, onde o programa está sendo realizado de acordo com a necessidade de cada produtor e/ou setor.

“O programa nacional de AP é de sete módulos, mas em Minas verificamos que transformando os três primeiros em um módulo básico e os outros quatro ficando como específicos funcionava melhor. O módulo básico é pré-requisito para os outros quatro, ou seja, o produtor ou trabalhador faz esse módulo e se quiser fazer depois apenas semeadora a taxa variável, monitor de colheita ou autopropelido, por exemplo, ele pode,” afirma. Luiz Ronilson acrescenta que, com esse formato, os módulos são certificados individualmente.

Ele ressalta que a oportunidade de capacitar produtores em agricultura de precisão surgiu na cadeia de grãos, que é um setor forte no estado, mas que existe uma demanda crescente na colheita do café. “É uma demanda inicial e ainda precisamos capacitar nossos instrutores nessa cadeia, já que o foco atual tem sido outro.”

Quem faz aprova

Na área de operação de máquinas, Leismar Sousa e Silva, trabalha com tecnologia embarcada há quatro anos. Ele está fazendo a capacitação em AP do SENAR no município de Ibiá, região do Alto Paranaíba, e conta sua experiência com o curso. “Trabalho com aplicação de taxa variável e semeadeira e o curso tem trazido informações importantes para complementar meu conhecimento em agricultura de precisão. Para concluir faltam ainda os módulos de colheitadeira e aplicação de defensivos, mas estou gostando muito e tenho conseguido substituir o uso errado pelo certo com a ajuda do curso.”

O regulador de máquinas agrícolas, Yuri Aaron Reis Machado, diz que trabalha com agricultura de precisão há algum tempo e que a capacitação tem trazido resultados positivos na propriedade onde trabalha, também em Ibiá. “Percebemos que não há mais falhas na produção, está mais homogênea, além do controle da colheita que antes contávamos por caminhão. Agora a própria máquina sinaliza quantas toneladas e em que área a produção está maior. Atualmente usamos aplicador de calcário, colheitadeira e pulverizador com AP, mas estamos estudando a compra de novos equipamentos.” Machado já fez três módulos do curso, faltam dois, previstos para os meses de agosto e setembro. “O curso é muito bom, estou gostando bastante. E da propriedade onde trabalho, sou o único que está fazendo. Aprendo e compartilho com os colegas e, sempre que precisam, me chamam para ajudar.”

Gargalo

O coordenador de Formação Profissional do SENAR Minas, Luiz Ronilson, aponta que para aumentar a dinâmica dos treinamentos são necessários novos simuladores. Ele explica que o grande gargalo nas capacitações tem sido o uso das máquinas nas propriedades. “Os produtores têm encontrado dificuldade para liberar, pois é preciso tirá-la do trabalho para os treinamentos. Mas já estamos buscando soluções para resolver essa questão. A Regional adquiriu 10 simuladores portáteis (maleta) que serão distribuídos entre os instrutores por meio de uso comodato. Para 2015, a ideia é fazer unidades móveis de AP, que serão vans com três simuladores cada, também em maletas, para levarmos agricultura de precisão às propriedades.”

O SENAR-RS fez a entrega dos certificados para os primeiros alunos participantes do programa de ensino de Agricultura de Precisão, durante a programação da 2º Apsul – América, que acontece até esta quinta-feira, dia 26, em Não-Me-Toque-RS. Foram os primeiros alunos no Brasil a receberem o certificado de conclusão do programa realizado por unidades do SENAR.

Marco Dalepiani, agricultor no município de Fortaleza dos Valos, foi um dos alunos que participou dos sete cursos do programa. Para ele foi o primeiro contato com o conhecimento de agricultura de precisão. O agricultor aos poucos está adquirindo equipamentos, como a plantadeira pantográfica, e quer melhorar a forma de plantio em sua propriedade. “Vou praticar a analise do solo mais seguidamente depois dos conhecimentos adquiridos” – complementou.

Os certificados foram entregues pelo presidente do Sindicato de Fortaleza dos Valos, Jaime Stefanello, pelo diretor financeiro da FARSUL, Jorge Rodrigues e pelo chefe da divisão técnica do SENAR-RS, João Augusto Telles, que também fez um painel aos participantes do evento sobre o programa oferecido pelo SENAR-RS no Rio Grande do Sul. Atualmente 23 turmas de produtores estão frequentando os cursos do programa que soma 190 beneficiados desde seu início, em 2012. O SENAR-RS deve ampliar o número de turmas para 2014.” Estaremos preparando novos instrutores para atender a demanda de pedido dos cursos no estado”- explicou Telles.

Programa em Agricultura de Precisão do SENAR – Para participar, basta buscar informações no sindicato rural ou dos trabalhadores rurais dos municípios. O programa é formado por sete módulos de ensino de 16 horas cada, que vão desde a gestão na propriedade até conhecimentos sobre operação de máquinas precisas.

O conjunto de técnicas em agricultura de precisão consiste na melhor utilização dos recursos envolvidos no desenvolvimento de uma cultura com estudo e aplicação de ações que potencializam, por exemplo, a aplicação de insumos de forma localizada e corretiva na lavoura, práticas de amostragem georreferenciada de solo além de mapas de produtividade que fornecem a total visibilidade da lavoura. Outra conseqüência positiva é o incremento da informatização e da gestão na atividade. Como resultados na produtividade, a agricultura de precisão que tem sua data de acontecimento programada junto com a turma participante.

Assessoria de Comunicação do SENAR-RS
www.senar-rs.com.br

Após reunião técnica de três dias, o SENAR definiu os próximos passos para a nacionalização do programa de agricultura de precisão. A entidade vai sentar, ainda este mês, com as empresas de máquinas agrícolas para fechar parcerias e reunir os gestores das Administrações Regionais para apresentar o programa.

A ideia do SENAR é que o programa tenha três fases: capacitação continuada de instrutores, seminários regionais de sensibilização e capacitação de operadores de máquinas. As cartilhas para as capacitações estão sendo elaboradas em conjunto com o SENAR Rio Grande do Sul. São sete cartilhas, uma para cada módulo da capacitação dos operadores de máquinas.

“Vamos fazer um nivelamento técnico com os instrutores que já estão capacitados. Para os novos, a capacitação terá módulos onde o profissional deverá ter acesso às tecnologias de AP e o contato com especialistas da área para um melhor embasamento teórico”, afirma a coordenadora de Projetos e Programas Nacionais do SENAR Central, Patrícia Machado.

O chefe da Divisão Técnica do SENAR-RS, João Augusto Telles, explica que todo o programa servirá para o produtor conhecer o uso das tecnologias de AP, mas também para saber que a agricultura de precisão não é apenas máquinas. “O produtor estará aprendendo a fazer a gestão da propriedade via AP. Porque na realidade, ela é uma ferramenta gerencial.”

 Assessoria de Comunicação do SENAR

 

Os alunos que concluíram e foram aprovados na primeira turma do treinamento de Agricultura de Precisão do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (SENAR Goiás) receberam os certificados esta semana no estande do Sistema FAEG/SENAR e Sindicato Rural de Rio Verde, na Tecnoshow Comigo 2013.

O presidente do Sistema, José Mário Schreiner, explicou que essa é a primeira turma do Centro-Oeste a se formar nesse novo treinamento. A agricultura de precisão é uma atividade em franca expansão nas regiões agrícolas do País, que demanda profissionais qualificados e remunera bem. Segundo o assessor técnico do Sindicato Rural de Rio Verde, Alexandre Câmara, a remuneração média de um operador de máquina qualificado na região chega a R$ 3,500 mil por mês.

Para participar, o aluno precisa já ter experiência em operação de máquina agrícola e ter acima de 18 anos. O instrutor de Agricultura de Precisão e o supervisor do SENAR Goiás, Helder Pereira e Cláudio José, respectivamente, explicam que o treinamento é divido em cinco módulos de 24 horas. O participante recebe instruções de informática e GPS; noções de piloto automático; controlador de fluxo; taxas fixa e variável e monitor de colheita.

Para o treinamento, o SENAR Goiás tem apoio de um simulador de cabine de autopropelido, proveniente de uma parceria nacional entre a Stara e o SENAR. O instrutor Helder Pereira diz que o simulador agiliza a capacitação e adianta etapas, já que quando o aluno vai ao campo para operar um autopropelido, na fase prática do treinamento, ele já recebeu todas as orientações de operação.

Metas

Até o final deste ano, o SENAR Goiás formará no estado 20 turmas de Agricultura de Precisão. “Serão, aproximadamente, mais 240 profissionais especialistas em operação de máquinas de agricultura de precisão nesse mercado tão demandado”, explica o chefe do departamento técnico, Flávio Henrique Silva.

A entidade também prevê a ampliação da parceria com a empresa Stara para que simuladores de colheita e de controle de fluxo também venham apoiar os treinamentos do SENAR na área. O objetivo, de acordo com o superintendente Marcelo Martins, é de criar um centro de excelência de agricultura de precisão em Rio Verde.

Fonte: SENAR Goiás